SUGESTÃO DE PAUTA | EXPEDIENTE 19 de Julho de 2019

bar-3432.pngCidades Quarta-feira, 03 de Julho de 2019, 07h:15 - A | A

"LIXEIRA"

Planta do cerrado pode ajudar no tratamento de doenças hepáticas

Estudo é realizado por professora da UFMT e avalia os efeitos do extrato bruto da planta

image

Uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat), avaliou os efeitos do extrato bruto da planta conhecida popularmente como “Lixeira” no tratamento de doenças hepáticas.

 

O estudo é realizado pela professora Cláudia Andrade, do departamento de Químico da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com participação do pesquisador Fhelipe Jolner Souza de Almeida, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, da Faculdade de Medicina da UFMT.

 
 

 

A professora avaliou o efeito do extrato hidroalcoólico da Curatella americana L, nome científico da árvore, sobre as células estreladas, responsáveis pelo armazenamento da Vitamina A no fígado, e com importante função no sistema imunológico. O consumo excessivo de álcool pode provocar alterações no metabolismo destas celulas, levando a um quadro de fibrose hepática.

 

O objetivo da pesquisa é fazer uma associação entre o potencial antioxidante e a atividade antifibrótica do extrato. Os resultados mostraram que o efeito da planta depende da quantidade da planta utilizada. Quando a concentração era igual ou menor a 2 mg/ml, o extrato não apresentou toxicidade para as células, o que pode significar com a melhora no quadro de fibrose. No entanto, concentrações superiores a 3mg/ml foram pró-oxidantes, direcionando as células para a morte.

 

O extrato da Lixeira é popularmente utilizado no tratamento de várias doenças, como a diabetes. A pesquisa, no entanto, alerta que essa prática deve vir acompanhado do conhecimento científico, como mostra os resultados da pesquisa com a alta concentração da planta.

 

“A busca por novos agentes terapêuticos não ocorre de maneira aleatória, muitas etapas são fundamentais, desde a correta identificação, parte da planta a ser utilizada, época de coleta do material botânico”.

 

A toxicidade de um extrato botânico pode ser diferente dependendo da parte da planta utilizada, o modo de preparo do macerado (mistura com solvente extrator escolhido e material botânico triturado) e via de administração podendo produzir efeitos tóxicos em maior ou menor grau.

 
 
Imprimir


Comentários


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



MAIS LIDAS



Como você avalia a gestão do governador Mauro Mendes

PARCIAL

VÍDEOS LEIA MAIS

(65) 3028-2825

contato@cuiabamais.com.br

icon facebook icon twitter icon instagram