SUGESTÃO DE PAUTA | EXPEDIENTE 14 de Julho de 2024


Geral Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 05:21 - A | A

21 de Maio de 2024, 05h:21 - A | A

Geral / ECONOMIA

Maio segue registrando aumento no custo da cesta básica em Cuiabá

Pela terceira semana consecutiva

FECOMERCIO MT
CUIABÁ MAIS
[email protected]



O custo da cesta básica em Cuiabá segue aumentando. Pela terceira semana consecutiva, o mantimento considerado essencial para a subsistência de uma família de quatro pessoas em Cuiabá apresentou o terceiro aumento consecutivo no preço, desta vez de 2,48%, alcançando, assim, o valor de R$ 777,12. O avanço nominal de R$ 18,82 sobre a semana anterior foi influenciado por oito dos 13 alimentos que demonstraram alta, com maior impacto na batata, no tomate e no café. A alta expressiva também contribuiu para deixar o custo da cesta básica 1,79% superior aos R$ 763,00 averiguados na terceira semana de maio do ano passado.

As questões climáticas afetaram, em maior grau, os preços dos alimentos, interferindo, inclusive, na elevação do seu custo sobre o mesmo período do ano passado, como reforça o presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior. “Pela terceira semana consecutiva, o preço da cesta básica mostra crescimento em Cuiabá e retoma agora um patamar superior na comparação com o ano passado, o que incide sobre a organização das famílias e as escolhas de consumo.”

O aumento expressivo para o preço médio da batata, de 22,65% e passando de R$ 7,20/kg na semana passada para R$ 8,84/kg esta semana, pode estar ligado à adversidade climática enfrentada no sul do país, região que também produz o tubérculo, assim como o fim da safra das águas tem impactado sua oferta. Além disso, o crescimento no preço deixou o valor atual em um patamar de 60,45% na comparação anual, quando o preço médio era de R$ 5,51/kg.

Em relação ao crescimento no preço médio do tomate, que na semana passada se mostrava em R$ 9,16/kg e após apresentar crescimento de 6,93%, passou para R$ 9,79/kg, pode estar ligado às questões climáticas, com as chuvas incidindo sobre a qualidade do fruto, associadas a uma colheita ainda lenta da safra de inverno. O valor atual está 16,70% maior em relação à mesma semana do ano passado.

O superintendente da Fecomércio-MT, Igor Cunha, lembrou dos efeitos das chuvas que ainda afetam a região Sul do país, interferindo nos custos dos alimentos. “Essas adversidades já podem ter impactado no preço dos alimentos, pois a região é uma grande produtora agropecuária. Questões logísticas também podem ter influenciado em culturas que não foram afetadas diretamente, mas acabam interferindo na dinâmica da oferta de produtos, como a batata e o tomate nesta semana. Ainda há uma preocupação com o comportamento do arroz nas semanas posteriores.”

Conforme análise do Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT), as influências do mercado internacional do café também mostram impacto no preço interno, com as perspectivas do clima interferindo na produção do país, o que é muito importante em nível mundial. Tal situação pode estar ligada ao aumento de 2,59% em seu preço médio nesta semana na capital, que passou a custar R$ 16,67/500g. Apesar disso, em comparação com a mesma semana do ano passado, o café está 3,37% mais barato atualmente.

O Sistema S do Comércio, composto pela Fecomércio, Sesc, Senac e IPF em Mato Grosso, é presidido pelo empresário Wenceslau Júnior. A entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.



Comente esta notícia


65 98119-2325

[email protected]

icon facebook icon twitter icon instagram