SUGESTÃO DE PAUTA | EXPEDIENTE 14 de Julho de 2024


Política Quarta-feira, 13 de Março de 2024, 05:03 - A | A

13 de Março de 2024, 05h:03 - A | A

Política / MAIS UMA FRASE POLÊMICA

Lula faz afirmação polêmica ao dizer que mulher pode comprar batom e calcinha “com salário”

É fundamental recordar que nos primeiros dez meses do governo Lula, ocorreram três substituições de mulheres em cargos de destaque

TERRA BRASIL NOTÍCIAS
CUIABÁ MAIS
terrabrasilnoticias.com



Durante um evento em que revelou a inauguração de 100 novos Institutos Federais de Educação, o presidente Lula afirmou que, “com salário”, as mulheres não necessitam solicitar dinheiro ao pai para adquirir produtos como batom e calcinha.

“Quando a mulher tem uma profissão, ela tem um salário, pode custear a vida dela. Não vai viver, comer, com um homem que não goste dela. Não vai viver por necessidade, por dependência, vai viver a vida dela e vai morar com alguém se ela gostar de alguém. Vai ter a opção dela, ela vai escolher. Ela não vai ficar dependente. Não vai ficar ‘eu preciso do meu pai me dar R$ 5 para comprar um batom, eu preciso do meu pai me dar R$ 10 para comprar uma calcinha”, declarou o presidente da República.

A declaração de Lula com teor machista ocorreu em menos de uma semana após o presidente da República ter participado de um almoço em celebração ao Dia Internacional das Mulheres, realizado no conhecido restaurante Tia Zélia, localizado na Vila Planalto, em Brasília.

Na ocasião, a primeira-dama, Janja Lula da Silva, e a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, também estiveram presentes.

Apesar de ter sido eleito com uma plataforma progressista, ao longo de seu governo, Lula tem negligenciado a participação das mulheres na administração central. Conforme apontado por uma análise conduzida pelo jornal O Globo em novembro do ano passado, a presença feminina no governo Lula é comparável à gestão de Jair Bolsonaro.

O periódico fluminense destacou ainda que a representação de mulheres é ainda mais escassa em setores relacionados à segurança pública e à economia.

“Em setembro, último mês com informações disponíveis, as mulheres representavam 40,9% dos 37.618 cargos comissionados executivos (CCE) e funções comissionadas executivas (FCE) (…) Em dezembro do ano passado, esse índice era de 40%, em um universo de 36.378 cargos de confiança, patamar também próximo ao de setembro de 2019 (40,1%), no primeiro ano do governo Bolsonaro”, informa o jornal.

É fundamental recordar que nos primeiros dez meses do governo Lula, ocorreram três substituições de mulheres em cargos de destaque, sendo estas ocupadas por homens: Daniela do Vaguinho foi dispensada do ministério do Turismo, sendo sucedida por Celso Sabino; Ana Moser deixou a liderança do ministério do Esporte, abrindo espaço para André Fufuca; Rita Serrano foi desligada da presidência da Caixa, sendo sucedida por Carlos Antônio Vieira.

Com informações de O Antagonista

 


Comente esta notícia


65 98119-2325

[email protected]

icon facebook icon twitter icon instagram